quinta-feira, 23 de agosto de 2018

Brincar e aprender com botões


Esta é uma actividade simples e divertida que ajuda a desenvolver a motricidade fina, o pensamento lógico e a iniciar-se no cálculo.
Quando eu era pequena a minha Professora Primária usava caricas e conchas da praia. Lembro-me dos sacos de rafia e do som das caricas a chocalhar dentro deles. No ensino já usei vários, as palhinhas são muito práticas para fazer conjuntos e explicar a unidade e a dezena, mas para fazer cálculos tudo serve, conchas, pedrinhas, tampas, feijões, quanto mais dinâmica e divertida for a actividade para a criança, mais interessada vai estar e melhor vai compreender. Gosto muito de usar botões, porque podem-se usar para fazer conjuntos de cores e de tamanhos iguais e diferentes. Além disso há sempre botões em casa, ou em casa das avós :D

Depois é só juntar as ideias abaixo a um discurso criativo e apelativo.

Conjuntos, adições e subtracções com botões:

Material (as cores não precisam ser estas):

8 botões pequenos - 3 amarelos, 3 vermelhos, 3 azuis
8 botões médios - 3 amarelos, 3 vermelhos, 3 azuis
8 botões grandes - 3 amarelos, 3 vermelhos, 3 azuis

Conjuntos:

Pedimos à criança para fazer conjuntos:
- um com os botões grandes
- um com os botões médios
- um com os botões pequenos

Os conjuntos terão tamanhos diferentes, perguntamos qual é o conjunto que ocupa mais espaço e o que ocupa menos espaço. Depois perguntamos se algum conjunto tem mais botões ou se têm todos a mesma quantidade de botões. Se a resposta da crianças for que o conjunto dos botões grandes tem mais botões, o que é normal pensar assim até uma determinada idade, então devemos responder: "Vamos lá verificar" e contamos os botões de todos os 3 conjuntos com a criança para perceber que independentemente do tamanho, a quantidade é igual em todos.

Repetimos a actividade mas agora com formas:
- um círculo com os botões grandes
- um trapézio com os botões médios
- um triângulo com os botões pequenos

A criatividade leva-nos mais longe, há várias coisas deste tipo que podem ser feitas.
Depois podemos fazer conjuntos com cores.

- um de botões amarelos
- outro de botões vermelhos
- outro de botões azuis

Conjuntos com botões do mesmo tamanho e cor.
Conjuntos com botões de duas cores de determinado tamanho.
Conjuntos de botões pequenos e médios de determinada cor.
Há inúmeras possibilidades.

Cálculo:

Aqui podemos desenhar conjuntos num papel, com o sinal da adição entre eles, depois o igual e um quadrado para escrever o algarismo da quantidade e pedimos à criança que coloque os botões dentro dos conjuntos. Por exemplo. Pedimos que faça um conjunto de 2 botões  e outro de 3 botões e por fim pedimos que conte todos os botões e coloque no quadrado que desenhamos a unir os dois conjuntos

Para ajudar a trabalhar e a desenvolver a motricidade fina podemos usar linhas de cores iguais e os botões maiores e pedir às crianças para fazerem ligações de botões da mesma cor ou do mesmo tamanho com a linha, podemos ainda pedir que use as linhas da mesma cor que os botões. Os pais devem ajudar a criança nesta actividade para que não fiquem frustradas se acharem a actividade difícil. Podem simplesmente fazer desenhos e pedir à criança que os contorne com os botões.

Na universidade uma professora disse-nos que devíamos deixar a criança usar a calculadora, porque o importante era a compreensão do cálculo e não a parte da conta em si. Sinceramente, continuo a não concordar, não gosto de ver miúdos pequenos de calculadora, uma criança que usa o cálculo mental, ou o papel e a cabeça para calcular habitua-se a exercitar o cérebro, e durante a vida o cálculo mental é muito importante porque exercita-nos, dá-nos confiança, ajuda-nos em momentos mais inesperados, mas o mais importante é que se a criança se habitua ao cálculo mental, nos anos seguintes, principalmente no 3ºciclo e no Secundário terá muito mais destreza em matemática, física e química, geometria, etc, não terá aquela dependência da calculadora nem aquela preguiça de pensar que se vê cada vez mais nos adolescentes.

Bons trabalhos!!


quinta-feira, 19 de julho de 2018

Diário # 17 - Rais-Parta a "ite"!


Já me estava a imaginar numa bela praia a apanhar sol e a ler um livro, mas afinal nem calor, nem sol, a única luz que tenho é a dos candeeiros cá de casa e o meu "livro" é o folheto informativo do Clamoxyl!
Mas porque é que todas as coisas que não gosto, quase todas, terminam em "ite"?
Amigdalite, Faringite, Laringite, Rino-faringite, Gastrointerite, Bronquite, Otite, Rinite, Sinusite, Meningite, Tendinite, Conjuntivite, ..., Ite, Ite, Ite...

Estamos em pleno Verão, pelo menos no calendário!, e estão as duas doentes a tomar antibiótico!

A minha filha mais pequena ficou com febre alta no sábado à tarde, e, no domingo acordou a chorar que lhe "doía a boca", espreitamos lá para dentro com a luz do tlm, a calamidade naquela garganta, as amígdalas inchadas e vermelhas e imensos pontinhos brancos pelo céu da boca fora! Fomos às urgências de pediatria no hospital privado aqui ao lado e a médica disse que ela estava com uma amigdalite descomunal! Resultado, acabou-se a praia na escola porque tem que ficar fechada em casa até estar boa!

Dois dias depois, à noite, a minha filha mais velha diz que "acha" que lhe dói a garganta, espreitamos e vimos dois pontinhos vermelhos, de manhã voltamos a espreitar e já tinha mais de 8 pontinhos vermelhos, mas sem febre. Sigo para o Centro de Saúde e sou atendida 1h depois (nada de mais), chego ao gabinete respectivo e respiro de alívio por ser uma médica que parecia ter a sabedoria e a experiência estampadas na cara (isto porque da última vez que lá tinha ido, fui atendida por um estagiário que foi pesquisar no google os meus sintomas de rinite alérgica para depois me dizer que eu estava com rinite alérgica e me mandar tomar uma injeção de não sei quê que não serviu de nada), mas como eu dizia, fiquei aliviada, parecia uma médica sábia, contudo, 2 minutos depois, ela provou o contrário. Viu a garganta da miúda com aquele instrumento habitual com luz na ponta e diz que não vê nada, vai e pega no tlm dela para ver com a luz da lanterna do tlm, eu fiz isso em casa mas eu não tenho um consultório em casa, agora no centro de saúde acho que deveria haver material para as consultas médicas, digo eu! Então ela aponta o tlm e com a outra mão tenta empurra a língua da miúda para baixo com um pauzinho de plástico, e a miúda que até tinha a língua de fora e a boca bem aberta, fecha a cada vez que ela enfia o pauzinho, e ela ali a insistir com aquela porcaria e eu própria já estava a ficar com vómitos por empatia com a minha filha. Finalmente a médica senta-se ao computador e diz "Não tem nada, é só escorrência rino-faríngica, ponha água do mar à noite e dê o brufen 3 dias", eu fiquei a olhar para ela, a pensar "Porra vim para aqui para isto" e disse-lhe: "A irmã mais nova está com uma amigdalite...", faz-se silêncio enquanto mexe no computador, e então a médica responde "Pois, isso que tem garganta, logo já vai estar em pus, é melhor dar antibiótico". Mas em que é que ficamos?? Não tem nada ou tem?? Passa-me o antibiótico, envia a receita para o meu telemóvel e depois diz-me que é para tomar 8 dias 10ml, duas vezes por dia.

Já me estava a preparar para sair quando caio na asneira de lhe perguntar se me pode ver a garganta para não ter que voltar no dia seguinte, uma vez que ela disse que a amigdalite ou outra, seja vírica ou bacteriana se transmite, bastando beijos para isso, e eu ando com a garganta a arranhar há dois dias, então ela prontifica-se a ver a minha garganta. Pega no pauzinho, como seu tivesse 4 anos e não soubesse manejar a minha língua para mostrar a garganta, e diz que está inflamada mas nada de mais, manda-me tomar o brufen três vezes ao dia durante três dias (deve ser a receita base habitual ao que parece), mas quando me apercebo do que acabou de acontecer ali fico pasmada e sem palavras, o mal já estava feito, então a amigdalite é bacteriana e contagiosa, tinha-mo dito ela há nem 3 minutos atrás, e não é que me foi enfiar o pauzinho de plástico na boca que tinha usado na minha filha?? Mas que raio de médica é esta?? Sempre que vou ao Centro de Saúde venho com uma história, sempre!

Vou-me embora em direção à farmácia e quando lá chego percebo que, além de não ser grande coisa em examinação, também não sabe fazer contas?!?! Receitou à minha filha um frasco de xarope, Clamoxyl de 100ml para tomar durante 8 dias, 10ml de 12 em 12h. Vejam bem a incoerência dos cálculos! O frasco só vai dar para tomar durante 5 dias! Agora vai-me obrigar a voltar ao Centro de Saúde para pedir receita para outro frasco! E nem sei se o vai passar ou se vai lá estar!! O pediatra está de férias, é verão, também tem direito claro! Só penso, se eu me tinha vindo embora mal ela disse q bastava brufen e não lhe dizia que a mais pequena tinha amigdalite... Não é suposto saber analisar uma garganta? Agora a miúda tem uma amígdala tão inchada que está encostada à úvula, já chora que dói muito a engolir e tem febre! E se eu tivesse vindo sem antibiótico? Pois, coitadinha dela....


sexta-feira, 13 de julho de 2018

Sumo #10 - Abacate e Morango


Mais simples é impossível.
Lavar bem 6 morangos e cortar. Retirar o creme de 1 abacate e juntar aos morangos no liquidificador.
E já está!
Um sumo precioso, rico em antioxidantes, vitaminas e minerais!


quinta-feira, 12 de julho de 2018

Diário # 16 - Férias no Campo com as Miúdas



Já estamos em contagem decrescente!
No ano passado estivemos quase para ir para o Camping de Lisboa em Monsanto, porque eu queria muito que as miúdas tivessem essa nova experiência, mas, era a questão das fraldas e a mais nova não comia nada a não ser sopa, por isso, optamos por ir passar as férias na aldeia, na casa que está lá um pouco esquecida, dos avós, e que só costuma ver gente de mês a mês, se tanto. Eu estava um bocado céptica em ir para um sítio onde não há nada para fazer depois, onde não havia máquina de lavar roupa nem fogão xpto, mas fomos, por elas. Compramos uma daquelas piscinas da Intex, uma de 366cm de diâmetro, era mais que suficiente, e a piscina fez toda a diferença. Foi absolutamente, fantástico! Superou a falta das comodidades a que estamos habituados. Preparei-me antes de irmos com um panelão de sopa e esparguete com carne para elas, para os três dias seguintes, porque nem sabia se o fogão funcionaria, e elas comem bem a sopa da mãe e a massa. Acabamos por ficar lá quase uma semana inteira e o fogão dos anos 70 nem precisou de ser usado, porque felizmente tudo se arranjou na mesma. Tivemos algumas dificuldades técnicas apenas nos banhos, uma vez que o cilindro limita a duração da água quente a uns 15 mins, e principalmente porque não havia qualquer pressão da água, dado que vinha dum poço e não da companhia, eu nunca tinha pegado num chuveiro em que se o virasse para o corpo na vertical, a água não seguia em frente mas para o chão, parecia uma torneirinha a pingar, foi o mais difícil, conseguir lavar 3 cabeças bem cabeludas, e tirar o champô todo antes de acabar a água quente, mas, de resto, os dias foram absolutamente fantásticos, animais, natureza, sol, sons da natureza, descanso para os ouvidos, cheiro a ar puro, gatos bebés a passear por todo o lado, um galo a cantar de duas em duas horas, o cão da vizinha sempre atento e os pés sempre de molho dentro de água à espera do fim da digestão para mergulhar o resto do corpo :D O sol foi o aquecedor natural da água da piscina, que enchemos à mangueira, e, para estender as roupas, uma corda com trinta anos a todo o comprimento, uma mesa de ping pong e uma de matrecos, e depois, toda a natureza à nossa volta, montanhas, campos, terra, borboletas, joaninhas, saltitoes, cavalos, vacas, etc etc etc, não se pode pedir melhor. Elas adoraram e nós também claro!
A piscina foi o centro das actividades, o centro do dia, não a largamos, elas mal conseguiram esperar para encher a piscina de água, ainda tinha um cm de água já andavam lá dentro a mergulhar, ou a tentar. Depois ainda tivemos que a mudar de sítio uma vez, esvaziar tudo e voltar a encher porque o terreno não é propriamente plano, mas torta ou direita, elas não queriam saber, desde que tivesse água lá dentro era tudo o que importava!
Estamos ansiosos por voltar, e desta vez, felizmente, já teremos água da companhia e um chuveiro capaz de lavar os cabelos mais rebeldes de todos os tempos! :D

A "Bailarina"

 
Este filme deixou-me sem palavras, coisa que raramente me acontece durante um filme :) Adorei! Já o vi com as miúdas quatro vezes, pelo menos! É um filme muito bonito e inspirador. Uma história que mostra às crianças que devemos lutar pelos nossos sonhos e que se o fizermos verdadeiramente podemos conseguir alcançá-los.
As miúdas ficaram encantadas e eu fiquei a sonhar! :) <3 <3 <3

segunda-feira, 9 de julho de 2018

Diário # 15 - A minha pequenina já vai para a Escola!



Desde sexta-feira que ando num rodopio para saber o resultado das matrículas no 1ºCiclo. Será que ela entrou, será que não? Ainda tem 5 anos e as possibilidades são poucas dada as ordens de prioridades na seleção.
Passei a sexta a ligar até que perto de fechar fui directamente ao agrupamento, mas não havia nada. A funcionária do Pbx, cheia de empatia pela minha ansiedade, pediu-me o nome da menina e foi a correr procurar alguém. Dois minutos depois vejo uma Professora que parecia vir a fugir dela cheia de pressa, foi uma cena digna de recordar. A funcionária para me ajudar pôs-se à frente da Professora encarregada pelas colocações das crianças e pede-lhe que me diga algo, a Professora só dizia "Tenho pressa, tenho pressa", então vejo a funcionária a implorar, e a Professora olha finalmente para mim, que por acaso estava só a meros centímetros dela, e pergunta-me se a menina era da Pré ou do 1º ano, porque no 1º ano entraram todos, eu olhei para ela e disse "Ela tem 5 anos" ao que ela responde "Ah, é condicional então, mas eu coloquei todos, incluindo os condicionais". Quando ela me disse que ela tinha entrado, apesar de só fazer 6 anos em Dezembro, tive que conter as lágrimas, mas sei que quem me viu o tamanho do sorriso ao darem-me aquela notícia percebeu o quanto brilharam de imediato os meus olhos, um sorriso de tal maneira que só podia parecer o gato da Alice no País das Maravilhas, e só me faltou beijá-las às duas de alegria, mas disse obrigada algumas vezes e saí a correr.

Foi aí que percebi aquilo que não tinha percebido até ao momento. Pela quantidade de lágrimas que assomaram nos meus olhos à espera que eu autorizasse que caíssem, eu percebi como aquilo era importante, para a minha filha, uma criança que deseja aprender, conhecer, descobrir e voar por este novo mundo. É óbvio que ela está muito bem na Pré, onde andou três anos, aprendeu imenso, desabrochou e cresceu e foi imensamente feliz, mas precisa de seguir o caminho, continuar, crescer, alcançar aquilo que procura, desbravar novo caminho, é tão importante para ela, que eu não podia ficar mais feliz.

Contudo como qualquer mãe, preciso ver as listas no papel para dar a notícia à minha filha, não vá o diabo tecê-las, como se costuma dizer. Desiludir crianças não, isso não, só a verdade sempre.

Depois de um fim de semana pelo meio, que serviu para aumentar ainda mais a ansiedade, a vontade de lhe dar a notícia, de ver aqueles olhinhos castanhos enormes e lindos a brilhar, como só eles brilham ao receber a notícia, hoje volta a ser um dia de corrida e telefonemas, sempre dum lado pro outro, e as listas, que já estão afixadas noutros agrupamentos, não estão ainda no que eu preciso! Até que finalmente por volta das 15h ligo novamente e me dizem "Sim, já estão!". Saio de casa a correr para o carro e só páro na Escola. Ali estão elas, tão direitinhas na parede, procuro o nome dela duas vezes e não encontro! Mas que se passa? Volto a procurar devagarinho e ali está ele, mesmo à frente dos meus olhos! Que alegria! Já lhe posso dar a notícia!

É uma excelente escola e tenho a certeza que ela vai adorar! No final é mesmo o que importa. Que crie as melhores memórias da infância porque o futuro vai buscá-las muitas vezes. No 1º Ciclo aprendem as bases de tudo, embora seja o mais importante porque é a parte mais sólida que vai ajudar a adquirir toda a aprendizagem nos anos seguintes, é também muito mais simples absorverem tudo, têm uma tão grande aptidão para aprender nestas idades que se for com gosto se torna tão simples como virar as páginas de um livro. Por isso o que importa mesmo é que tenham bons Professores, carinhosos, compreensivos e exigentes, que façam amigos e brinquem muito, muito enquanto aprendem, que os adultos nunca se esqueçam que continuam a ser crianças, porque a infância é só agora. Por isso precisam de espaço, tempo, descobrir, crescer lentamente, brincar enquanto aprendem, aprender enquanto brincam. Nesta idade são pequenos génios a desabrochar e o mais importante mesmo é permitir que ganhem asas e desabrochem, floresçam e sejam felizes, para poderem aprender e gostar de aprender.

Estou feliz porque a minha pequenina já vai para a Escola. Por saber que ela vai desbravar mais mundo, descobrir, explorar, aprender e continuar a brincar. Vai aprender a juntar as letrinhas, as sílabas e as palavras e descobrir as frases e as histórias dos livros que ela adora "fingir que lê" para a mana mais nova :)

Estou feliz porque ela está super feliz! Sou mãe! Que seria de esperar?! :)

quarta-feira, 4 de julho de 2018

Tosta com Abacate, Pêra e Morango

Para aproveitar ainda as fatias de pão de sementes e a restante pêra da receita anterior, uma espécie de sobremesa.


Escolher o abacate
O abacate maduro, pronto para comer é um pouco mole, não deve ter manchas escuras nem fissuras. Se o abacate tiver um pescoço pequeno, em vez de arredondado em cima, estará provavelmente mais maduro e com melhor sabor.

Benefícios do Abacate
O abacate, considerado já um super-alimento. É rico em nutrientes, antioxidantes vegetais, Vitamina E, potássio (o triplo das bananas) e ácido oleico. Embora se diga que o abacate tenha grande quantidade de gordura, é uma gordura monoinsaturada saudável e, ao contrário das gorduras saturadas, as gorduras monoinsaturadas reduzem o colesterol mau e aumentam o colesterol bom. Tem propriedades antibióticas, antiparasitárias, combate as rugas, ajuda a reduzir a inflamação da artrite, protege o sistema vascular e regula o coração. Além disso, o abacate sacia a fome por mais tempo, num estudo publicado na revista Cell Metabolism, explica que a presença de gorduras não saturadas nos abacates desencadeia a produção de um composto no intestino delgado que inibe fome.

Ingredientes:
Abacate
Pêra Rocha
Morango
Côco ralado opcional

Pegar nas fatias de pão, tostar um pouco
Enquanto isso, dar um pequeno golpe longitudinal com cuidado no abacate e trocê-lo para sair o caroço. Retirar o interior com uma colher de café e barrar o pão com essa polpa de abacate.
Colocar umas fatias de pêra rocha por cima, umas rodelinhas de morango e salpicar com côco ralado.
Uma delícia!

Tosta com Legumes e Pêra



Uma refeição muito simples, leve, fácil e, sobretudo, nutritiva.

Ingredientes:
Pão fatiado com sementes
Brócolos
Curgete fatiada
Beringela fatiada
Pimento aos pedacinhos
Pêra
Sementes de Chia
Queijo fatiado
Cebola

Lavar os legumes bem lavados e cortar. Colocar azeite e cebola numa sertã, juntar os legumes e saltear 10 minutos.
Entretanto dispôr as fatias de pão no forno com uma fatia de queijo em cima de cada uma e deixar torrar 5 minutinhos para não derreter muito o queijo. Colocar os legumes por cima, umas fatias de pêra, sementes de chia e está pronto a saborear!

segunda-feira, 11 de junho de 2018

Diário # 14 - Escolher uma Escola!!




Quando pensamos que temos momentos difíceis, que já tomamos algumas decisões complicadas, que temos dias tão exaustivos, noites mal dormidas, Invernos cheios de viroses infantis, descobrimos que afinal nada disso era assim tão difícil comparado com a ida do nosso filho para a Escola.

Onde eu cresci, existiam 4 escolas primárias, quase todas no mesmo sítio porque a cidade era pequena e bastante pacata, mas aqui, a cidade é enorme, recheada de diferenças, e há muitas escolas… Pedir opiniões nem sempre pode ser uma ajuda, os nossos olhos fazem um trabalho melhor, analisar pessoalmente as escolhas, porque quando pedimos opiniões poucos têm boas informações, mas muitos dispõem de “informação alheia” que nos deixa ainda mais confusos… Além disso, e principalmente, a opinião de cada um é subjectiva, assim sendo, acho que devemos sempre formar a nossa própria opinião com base em factos que podemos ver e provar.

Estes meses de decisão e indecisão foram uma dor de cabeça, daquelas que também latejam no peito e nos deixam pensativos, nervosos, a suspirar por todo o lado. Parece-me a decisão mais difícil que tive que tomar até agora. Mas a verdade é que não podemos controlar tudo e tenho a certeza que daqui a uns anos esta decisão será, talvez, a menos difícil de todas.

É um mundo novo, não é fácil, e senti, nestas semanas, dificuldade em obter informação “segura”, por parte das entidades competentes para tal, liguei para vários agrupamentos e para a Dren e houve sempre diferenças nas respostas.

Mas aparte as burocracias habituais e a falta de informação coerente, o que importa mesmo é escolher a escola, sem ligar aos rankings. Escolher pelos rankings é uma asneira. Fui visitar algumas escolas, aqui nas proximidades, não fui ver privadas, além de serem absurdamente caras, prefiro as públicas sem sombra de dúvida, quero que as minhas filhas tenham uma “escola da vida” normal, com todas as experiências inerentes normais. Porquê pagar para aprender se o ensino é gratuito e excelente no Público também? Só mesmo se existisse essa necessidade por outras razões pessoais. Fui às 3 escolas que ficam mais próximas da minha área de residência, a chamada área de influência, e uma coisa é certa, por mais escolas que se visitem nunca saberemos realmente como será. Podemos apostar no aspecto da escola, no espaço exterior, na nossa percepção, empatia, instinto maternal, mas a verdade é que pode ser a melhor escola do mundo, com jardim, parque, salas a brilhar cheias de desenhos nas paredes, cortinas novas e aquecedores a funcionar, e termos o azar da criança ter um Professor pouco dotado do ensino, ou que está sempre a faltar e a ser substituído, ou que motiva pouco as crianças, ou até que descrimina, ou pune psicológica e/ou físicamente.

Das três, gostei de duas, se fosse pelos rankings e não a visitasse, escolheria a que detestei, muito conceituada, e no entanto, fria, impessoal, apática, sem dinâmica visível, semelhante a um centro de saúde com os espaços mal geridos e organizados, as salas despidas de vida, sem cor, as aulas muito deprimentes, pareciam estar todos infelizes ali dentro… O recreio de cimento do tamanho de uma sala de aula para 200 alunos, sendo que parte desse espaço são degraus. Uma escola escura, sem cor, sem um recreio decente para correrem. Os Professores até podem ser os melhores do Mundo mas aquele espaço não é o espaço que quero para a minha filha, cheia de vida, só a via a murchar ali, a pouco e pouco…

As outras duas Escolas, já são escolas completamente diferentes, diria que sim, são Escolas! Cheias de vida. Com recreios enormes para poderem correr. Salas coloridas, paredes cheias de cartazes, desenhos, letras, algarismos. Os corredores têm fotos, desenhos. Sente-se muita dinâmica e alegria, incluindo entre Professores e Auxiliares. Todos muito bem dispostos e em interacção. Via a minha filha ali, feliz, a correr naquele espaço imenso e a aprender cheia de vontade.

Além de nos sentirmos bem com a escolha da escola, precisamos, acima de tudo, que os nossos filhos tenham a felicidade de ter um bom professor. Aquele Professor que ensina com gosto, que é carinhoso mas ao mesmo tempo é exigente. Não queremos professores passivos, absortos e facilitistas, às vezes porque são assim, outras vezes porque os obrigam a agir de determinadas maneiras para as escolas alcançarem determinados objectivos que não são propriamente aqueles que importam realmente para os alunos e futuro dos mesmos, daí ser tão importante conhecer o meio e a dinâmica escolar para percebermos o funcionamento dos mesmos.

É importante não esquecer que os nossos filhos quando vão para a Escola Primária continuam a ser crianças, não vão deixar de ser crianças para serem alunos apenas. Vão aprender e vão brincar, e têm que estar num ambiente saudável, feliz e comunicativo. O recreio é muito importante, uma escola que não quer saber do recreio não está a pensar nas crianças que são os seus alunos, talvez esteja sim a pensar nos alunos que ajudarão aos rankings desejados, mas é isto que queremos para os nossos filhos?

Eu não, eu quero a minha filha numa escola onde se sinta feliz, num ambiente familiar. Preciso sentir que a deixo num sítio onde vai continuar a ser criança e a aprender coisas maravilhosas, e não num sítio onde “tem que estar” até eu ir buscá-la.

Hoje fui finalmente fazer a candidatura da minha filha mais velha ao agrupamento da escola que escolhi como 1ª da lista de escolhas. Agora é esperar.


Ficam aqui algumas informações:


Ordem dos critérios de seleção dos alunos (Despacho Normativo nº6/2018 - Artigo 11º - Nº1) :
1º e 2º - crianças com necessidades educativas especiais de caráter permanente
3º - crianças que estavam já no pré-escolar do mesmo agrupamento
4º - crianças com irmãos já matriculados naquela escola
5º - Beneficiários de ASE que residam na área da escola
6º - Beneficiários de ASE que exerçam a profissão na área da escola
7º - Crianças cujos encarregados de educação residam na área (sendo que aqui primeiro passam os que já estavam na pré no mesmo agrupamento)
8º - Crianças que frequentavam o pré-escolar em instituições particulares de solidariedade social na área da escola
9º - Crianças cujos encarregados de educação estejam empregados na área
10º - Crianças mais velhas




domingo, 10 de junho de 2018

Adoçar o domingo!

Este doce foi uma experiência que todos adoraram. Num almoço de domingo, queria fazer uma sobremesa rápida e fácil e que não fizesse muito mal. Já repeti pelo menos 3 vezes com sabores diferentes e tem sido sempre muito bom!

3 iogurtes gregos com de polpa de morango (também há de soja)
1 lata de leite condensado light
4 folhas de gelatina
6 morangos
4 quadradinhos de chocolate de leite (se quiser)

Enrolei as folhas de gelatina e enfiei-as de molho num copo cheio de água fria.
Misturei os iogurtes e o leite condensado numa taça.
Fervi 30 ml de água num coco pequeno, espremi a gelatina e enfiei dentro do coco abanando-o em vez de mexer com uma colher, próximo do lume, para não agarrar no fundo, até desaparecer a gelatina visível toda
Coloquei a água muito devagar na mistura e fui misturando a pouco e pouco
Virei tudo para uma travessa e decorei com morangos (previamente desinfectados com vinagre, lavados e cortados).
Divinal! :D

segunda-feira, 4 de junho de 2018

Creme de Aipo e Penca

A partir dos 9 meses

2 batatas médias
1 batata doce
150 gr de abóbora
6 folhas pequenas de penca (couve portuguesa)
1 curgete
1 caule de aipo
1 mão de espinafres
50 gr de peito de frango
2 a 3 copos de água


Lavar, descascar e cortar tudo. Assim que a água começar a ferver juntar as batatas, a abóbora, o aipo, a penca, a curgete, o espinafre e, por último, o frango. Mexer antes de fechar, passando a colher de pau pelo fundo para evitar que algum legume se agarre. Fechar a panela imediatamente e colocar no mínimo. Deixar cozer 30 minutos.
Verificar sempre se o frango está cozido por dentro.
Passar bem a sopa até ficar um delicioso cremezinho.

Curgete recheada com Feijão



Uma refeição super nutritiva e saudável que satisfaz completamente.
Decidi experimentar para aproveitar um feijão que tinha cozido no dia anterior. Muito bom para aumentar os níveis de ferro e combater a anemia na gravidez. Rica em antioxidantes, beta-caroteno, vitamina C e ferro. Excelente para a saúde ;)

Ingredientes:
Azeite
1 Curgete
1/3 pimento vermelho
2 pés de brócolo
Oregãos (ou outras ervas a gosto)

200gr de feijão branco seco (previamente demolhado durante 12h)
1 cebola
1 cenoura média
1 folha de louro pequena

Coloca-se o feijão a cozer com o triplo de água numa panela de pressão por 15 minutos.

Enquanto isso, pica-se bem a cebola e coloca-se a alourar num tacho com azeite. Descasca-se a cenoura corta-se em círculos finos e junta-se ao estrugido com a folha de louro. Adiciona-se um pouco de água fervente sem cobrir totalmente a cenoura. Põe-se em lume brando e tapa-se o tacho 10 minutos.

Corta-se a curgete ao meio, bem lavada, descascada ou não. Corta-se o pimento em fatias de 1cm e os brócolos ao meio. Numa frigideira antiaderente, coloca-se um fio de azeite a aquecer e deita-se a curgete, o pimento e os brócolos. Lume médio/baixo. Vai-se virando os três vegetais para alourarem de ambos os lados. Entre 8 a 12 minutos

Entretanto, passado o tempo referido atrás, Retira-se o feijão da panela de pressão. Escorre-se bem e junta-se ao tacho da cenoura, meio copo de água fervente, o feijão já cozido e sal qb. Deixa-se em lume médio/baixo com 0,5cm da tampa destapada.

Enquanto o feijão ganha sabor, vai-se virando a curgete e tempera-se com ervas a gosto, usei oregãos. Quando estiver dourada e ligeiramente cozida retira-se e coloca-se num prato. Recheia-se com o feijão e a cenoura e decora-se com o pimento e o brócolo.

Satisfação garantida! :D



quinta-feira, 17 de maio de 2018

Diário # 13 - Parques infantis


Finalmente o Sol veio para ficar uns dias :)

Agora haverão melhores dias para levar as crianças ao parque, que tanto adoram. A pensar nisso, e dado que foram criados novos parques no Porto e reabilitados outros, desde o Verão passado que andamos com as miúdas de parque em parque para os conhecer a todos. Há alguns que gosto mas outros que nem por isso, e depois há aqueles que até são giros mas...

Antigamente as nossas mães levavam-nos ao parque e sentavam-se tranquilas a fazer tricot ou a conversar umas com as outras, agora não consigo simplesmente sentar-me e deixá-las andar à vontade. Mesmo nos parques para crianças com mais de 2 anos, não vejo aquela segurança que via há duas décadas atrás.

Nos nossos dias, alguns parques parecem autênticas esculturas contorcidas de ferro... outros parecem locais de treinos olímpicos... em vez de parques infantis... Além disso, agora a nova moda é deixar um dos lados dos escorregas sem vedação, completamente aberto sobre o vazio e meio metro à frente do vazio, um ferro para as crianças descerem à bombeiro!? Não é seguro. O chão não é feito de algodão, e mesmo que seja uma queda de 2 metros podem magoar-se a sério. Não sei porque inventam, as crianças só querem brincar, não importa se o escorrega é azul ou amarelo, não importa a estética ou a arquitectura daquilo, só importa chegar lá e escorregar. Para as crianças aventureiras e curiosas podem fazer coisas giras mas seguras, agora em todos os parques onde vou com elas e o todo dos escorregas tem um dos lados sem nada, eu detesto, detesto porque não fico descansada, ainda por cima elas são duas e os meus olhos viram ambos para o mesmo lado, não é possível ver as duas ao mesmo tempo ao milésimo de segundo.

Gosto muito do parque de Espinho, junto ao Centro Multimeios, tem escorrega para mais pequeninos e para maiores, tem vedação e portãozinho que fecha, é seguro. Acho que de todos os que tenho visto foi o que gostei mais para a minha filha mais pequena, porque a maior não tem medo de nada. Tem bancos de jardim à volta da vedação para os pais.

Também gosto muito do parque de Matosinhos, tem uma vedação a toda a volta, foi reabilitado, tem coisas novas e é colorido, mas o escorrega tem a lateral aberta no topo sobre o vazio e qualquer criança pode empurrar outra na correria ali em cima ou desiquilibrar-se e cai dali abaixo directa no chão...

Há também um nas praias de Gaia, está bastante maior agora, tem um escorrega cheio de coisas para mais pequeninos e um para maiores, tem muitas diversões diferentes e vista para o mar, maresia e bancos para os pais.

Torna-se difícil encontrar um que preencha os requisitos, a segurança e a adequação à idade dos nossos filhos, porque é óbvio que se os nossos filhos têm 2 ou 3 anos e vamos a um parque cheio de apetrechos radicais, cordas, tronquinhos para saltar, e a criança não consegue fazer nada daquilo vai ficar frustrada e aborrecida em vez de se divertir.

No outro dia fomos a Paços de Ferreira e descobrimos totalmente por acaso um parque infantil novo, muito interessante, não vi ao pormenor mas era enorme, com escorregas para os mais pequenos e outros para os maiores, tudo enquadrado num enorme parque da cidade muito amplo e verde, com um belo acréscimo mais abaixo, umas mesas de pedra para piqueniques. O Parque da Cidade aqui no Porto falha nisso, tem tudo menos um parque infantil.

Mas, felizmente, aqui no Porto há realmente muitos agora, cerca de 30, o que é fantástico, porque quando nasceu a minha filha mais velha eu fartei-me de dar voltas no Porto à procura de um parque. Há uma enorme escolha, mas poucos que possam dar aquela tranquilidade aos pais enquanto as suas crianças brincam, principalmente se tiverem mais que um filho e pelo menos um deles for pequenino.

Os que gosto aqui no Porto:

Prelada - Fica num sítio sossegado entre prédios. Com vedação. É um parque bastante normal, tem dois escorregas, muito giro e bem protegido. Cavalinhos como no nosso tempo :)

Calém - mesmo na foz, o chão é areia, que elas adoram, a mais pequena só anda no baloiço e no escorrega porque o resto ainda não consegue e enerva-se a tentar, e o único contra, a meu ver, é que no último "degrau" do escorrega deveria haver algo a proteger as crianças caso falhem o pé ao subir, porque a altura desse último tronco ao cimo é enorme para eles, até para a minha filha mais velha. Ou colocarem mais um degrau ali. Não tem vedação.

Parque de São Roque - Um barco escorrega colorido sem muitas complicações, mas as subidas não são para os mais pequenino, de resto é um sítio agradável, bonito e para as crianças mais velhas vale a pena.

Cervantes - Tem um escorrega muito bom para as crianças muito pequeninas, é vedado, tem mesas e cadeiras mas o resto não é para crianças pequenas...


Podem vê-los a todos aqui: